A explicação da gripe segundo a Nova Medicina Germânica

Programas biológicos explicados de acordo com a NMG

  • Gripe
  • Sinusite
  • Rinite
  • Mucosa nasal
  • Laringite
  • Febre
  • Faringite
  • Amigdalite e inflamação adenóide
  • Otite
  • Perfuração do tímpano
  • Surdez
  • Insuficiência renal
  • Tuberculose

Todos nós estamos acostumados aos programas biológicos do corpo e acostumados a esperar respostas psicossomáticas em nosso organismo.

Todos sabem que existe uma relação direta entre o que a pessoa sofre e o que ela somatiza (resposta biológica a uma situação específica).

Programas biológicos que todos conhecemos

  • Se corrermos uma maratona e cansarmos nosso corpo, especificamente os pés, ninguém terá dúvidas de que, quando atingirmos a meta, nossos pés incharão e ficarão inflamados.
  • Todos nós sabemos que se estivermos dormindo mal alguns dias ou sem dormir poderemos observar o aparecimento de olheiras, além do mais, quando vemos alguém com olheiras perguntamos, o que acontece que você não consegue descansar?
  • Depois, ou antes, de um exame, podemos ter diarréia. Na gíria da faculdade, alguns o chamam de: “CAGAÇO” pelo exame. Estamos acostumados a saber que a diarréia vem de uma situação muito dramática, sem saber especificamente como, sempre sabemos a causa.
  • Depois de ir à academia e cansar um músculo, ninguém vai ter medo porque o músculo treinado fica inflamado e dolorido, já que todos estão acostumados a vivenciar a união do exercício, com a fadiga muscular e as dores que se seguem à fadiga , mas estamos felizes porque é uma indicação de que o músculo está se recuperando, regenerando e crescendo. Nós sabemos e conhecemos a união entre fadiga e dor neste caso
  • Quem toca violão fica com calos nos dedos, para que a corda não doa, todos sabem que quando o calo se forma, a dor desaparece. Ainda eles dizem, pratique até que o calo saia.

Estamos acostumados a viver em situações dramáticas e pensar ou até mesmo dizer às vezes, – esta situação vai me matar …

Sabemos que as situações dramáticas em que vivemos nos machucam, mas realmente não acreditamos que seja 100% verdade. Há algo dentro de nós que se expressa constantemente com a verdade absoluta, mas fazemos ouvidos surdos ou acreditamos que é uma expressão exagerada de nossa psique, quando é a verdade pura. Porque temos a falsa idéia de que uma inflamação é produto de um contágio ou de um agente patogênico (nocivo) que vem de fora, quando na realidade é sempre um processo sensato e biológico da natureza.

Explicação da influenza de acordo com a NMG

Para a NMG, a gripe corresponde a um conjunto de programas biológicos (de sintomas e sinais) em fase de reparo. Onde um evento percebido como dramático pode desencadear vários conflitos biológicos e, portanto, vários programas biológicos. Por exemplo, com os conflitos de “isso é uma merda” ou “susto / ameaça em seu território”, “sentir-se bloqueado”, “conflito de mordidas”, “raiva indigesta” etc.

Vamos desenvolver esse assunto um pouco mais …

Devemos também saber que sempre um evento percebido como dramático, inesperado e vivido na solidão pode desencadear vários choques biológicos e, a seguir, vários programas biológicos. Cada programa biológico tem seu próprio “ritmo”, seus próprios processos e características (seu conjunto de sintomas e sinais).

Conceito de Sinusite de acordo com a NMG

  • Sinusite ou rinite é a inflamação dos seios paranasais. Também pode haver inflamação da mucosa nasal.
  • Na NMG sabemos que para haver inflamação da mucosa nasal (de origem ectodérmica e controlada pelo córtex sensorial) deve haver uma solução para um conflito sensorial. É a primeira fase de reparação de um Choque Biológico de “não conseguir cheirar uma ameaça no seu território” ou “isto é uma merda” ou esta situação “cheira mal”.
  • O conflito pode ser devido a: “Esta situação me cheira mal” ou “Estou farejando uma ameaça em meu território”.
  • Uma vez resolvido o conflito, pode ocorrer sangramento espontâneo do nariz.
  • Se houver sangramento junto com muco, estamos falando de um processo de reparo.
  • Se aparecerem cistos sinusais, durante a fase de reparo, eles podem desaparecer em grande parte, mas não completamente. O tecido cicatricial é formado como parte do processo de reparo.
  • Em alguns casos pode aparecer febre, se o conflito durar muito tempo ou se o drama for muito grande e aparecer a síndrome dos TCR (Túbulos Coletores do Rim), este seria um conflito somado ao “olfatório” anterior. Falamos aqui do colapso da existência, do desenraizamento e do abandono, onde os rins retêm líquidos, os edemas aumentam e a situação é mais dolorosa. A febre pode aparecer porque os TCRs estão envolvidos e, por ser um órgão endodérmico em fase de reparo, pode aparecer febre.
  • Terminado o programa de reparo e sem recidivas do conflito, a mucosa nasal é desinflada e o tecido reparado. Pois durante a fase ativa e com pleno sentido biológico, a mucosa nasal sofre uma úlcera, para evitar cheirar a situação que cheira mal, destruindo assim os nervos olfatórios da mucosa nasal e evitando cheirar a situação.

A origem da Rinite

A rinite alérgica envolve a mucosa nasal de origem ectodérmica. De acordo com nossos programas de sobrevivência arcaicos, o cheiro está essencialmente associado a um choque biológico de não ser capaz de detectar com antecedência a presença de um perigo que ocorre a uma distância bastante próxima no território.
Assim, o choque biológico que a rinite alérgica causa pode ser expresso por “cheirar perigo” ou “Não consigo mais sentir o cheiro” ou “esta situação cheira mal”.
O Dr. Hamer fala de um “choque fétido”, significando que qualquer situação que, do ponto de vista olfativo, represente uma ameaça literal ou figurativa, pode desencadear uma SBS que afeta a mucosa nasal.
Na fase ativa, úlceras indolores se formam na mucosa nasal. Essas úlceras costumam ser acompanhadas de crostas e sensação de nariz seco.

A rinite alérgica ocorre durante a fase pcl-A e costuma ser acompanhada de coceira.
A CE geralmente se manifesta como muitos espirros.
Durante a fase pcl-B, os sintomas da rinite alérgica melhoram gradualmente.
A rinite alérgica envolve a exposição periódica a um ou mais trilhos de proteção associados ao DHS inicial.

Envolvimento dos Brônquios de acordo com a NMG

• Durante a Fase Ativa de Ameaça no território para o homem destro em equilíbrio hormonal e para o homem canhoto em estado de desequilíbrio hormonal; de Susto no território para a mulher canhota em equilíbrio hormonal e para a mulher destra em desequilíbrio hormonal o órgão afetado será o brônquio.
• O programa biológico apresenta uma úlcera na fase ativa da mucosa brônquica de origem ectodérmica e na fase de reparo, o edema correspondente para reparar a úlcera gerada durante a fase ativa. Aí poderemos observar um muco verde, esse muco é o que resta da reparação do brônquio.
• Não confunda tosse com catarro, com tosse convulsa (também conhecida como tosse convulsiva ou coqueluche).
• A tosse convulsiva da laringe é devida a um conflito biológico de grande medo no território pela mulher destra em estado de equilíbrio hormonal, pela mulher canhota em desequilíbrio hormonal e ameaça no território pelo homem canhoto em estado de equilíbrio hormonal e o homem destro no desequilíbrio hormonal, uma vez que corresponde a um programa biológico da laringe.
• Aqui aparecem bronquite (que pode ser decorrente da solução de um conflito ou edema de múltiplas reparações devido à sua recidiva prolongada), inflamação das vias respiratórias e uma tosse irritante, que permite a remoção do muco acumulado.
• Durante a fase de reparo, o brônquio fica inchado e inflamado e depois cicatriza.
• Pode acontecer que com uma grande massa conflitante e muitas recidivas apareça um cisto (que é um tumor de reparo), que deve permanecer, por se tratar de um tecido de reparo. Mas, se ele desaparecer, saberá que a pessoa está novamente na fase ativa, pois isso indica um novo processo de ulceração.
• Concomitantemente com os programas biológicos dos brônquios (úlcera na fase ativa para alargar o brônquio e reconhecer ou cheirar melhor o adversário), as células caliciformes, na fase ativa, secretarão um muco transparente, presente nos revestimentos epiteliais ou líquido para hidratar os brônquios e aliviar a inflamação. O objetivo biológico deste programa é reconhecer melhor o adversário por meio da úlcera da mucosa brônquica, o que permite a entrada de uma quantidade maior de “sopros de ar”.
• O muco transparente secretado pelas células caliciformes de origem do endodérmico serve para evitar o afogamento e para poder retirar o muco reparador dos brônquios, este muco alivia a secura e inflamação da mucosa brônquica e, portanto o medo de asfixia.

Recomendações nestes casos
• O tomilho acalma a tosse e promove a expulsão do excesso de muco. Pode ser usado em vaporização junto com camomila ou chá.
• Gengibre (Zingiber officinale) para aliviar dores de cabeça, aliviar dores musculares.
• Se a cabeça doer ou aumentar a febre, coloque-a sob água fria até que o edema desapareça e a dor com ele.
• Também para diminuir a dor de cabeça, produto da reparação de edema, recomenda-se o consumo de café.
• Recomendamos vaporização de tomilho e camomila com toalha na cabeça, simulando uma nebulização, para soltar o muco e facilitar a tosse com catarro.

Explicação da Tuberculose de acordo com o NMG

A estes dois programas para a mucosa brônquica e a mucosa nasal, se acrescentarmos…

• O programa biológico que se ativa com o “medo da morte”, nos alvéolos pulmonares, teremos uma reprodução alveolar na fase ativa (um tumor de pulmão que nos permite absorver uma quantidade maior de oxigênio para escapar do predador) e um novo edema na fase de reparo, com inflamação e febre.
• Aqui estará presente o trabalho do nosso fiel aliado a bactéria Tuberculose (só em quem o tem, caso não o tenha por ter sido vacinado ou por tomar antibióticos, o tumor ficará no seu lugar, totalmente inócuo.
• Se houver bactérias, o tumor se decompõe graças à ação da caseificação, que decompõe o tumor, se e somente se o conflito estiver definitivamente resolvido, essas bactérias atuam no reparo dos alvéolos pulmonares, um tecido de origem endodérmica controlada pelo tronco cerebral. O conflito só se resolve se a pessoa conseguir perder o medo da morte.
• Se o catarro for da cor café-avermelhado, pode corresponder aos alvéolos pulmonares, os brônquios


Explicação da Insuficiência Renal de acordo com o NMG

• Por outro lado, se a pessoa sofre um colapso, ela se sente isolada, por exemplo, se for internada em um hospital (que não é seu território e está longe de ser semelhante), ou for retirada de seu lugar, de seu território, e se assustar , é desenraizado e colapsa, ativará um programa biológico ao nível dos túbulos coletores do rim, com a subseqüente complicação do quadro pela retenção de líquidos. Eles chamam isso de insuficiência renal, quando na verdade é um programa biológico em fase ativa, basta enraizar a pessoa para resolvê-lo e eliminar os líquidos retidos. A realidade é que quando uma pessoa é diagnosticada com insuficiência renal, elimina parte do líquido, mas só o lixo, ela guarda o resto, até se enraizar em seu território.
• Lembre-se de que o líquido não fica apenas retido nos rins, mas também em todos os locais onde há edema no corpo.
E se houver edemas nos alvéolos, nas células caliciformes, ou no nariz, na mucosa nasal, o líquido vai dobrar ou triplicar e, portanto, a dor, pois se acumula onde há edemas.

Lembre-se de que, se a pessoa soltar um chiado ao expirar, significa que os brônquios estão envolvidos com um programa biológico. Daí o conflito de ameaça / susto no território.

Se houver problemas ao inspirar, estamos falando da musculatura da laringe, não dos brônquios. Ou seja, se você assobiar ao inspirar, isso denota que o programa da laringe está ativo.

Quando falamos da mucosa da laringe, durante a fase ativa ocorre uma úlcera. Com o aparecimento do edema na fase de solução subseqüente e o diagnóstico de laringite.

E a peculiaridade dos brônquios e da laringe é que eles também tendem a afetar os músculos da laringe e dos brônquios, respectivamente. Desde quando há um grande susto, os músculos ficam paralisados. O homem destro e a mulher canhota paralisam os brônquios em estado de equilíbrio hormonal e o canhoto e a mulher destra paralisam a laringe em estado de equilíbrio hormonal (com o mesmo conflito, grande ameaça / susto dentro do território).

Nesses casos de grande susto, paralisar a musculatura dos brônquios é quando um respirador pode ser necessário.

Também quando a musculatura da laringe está paralisada por um grande susto, já que um bocado não será capaz de ser engolido, pode ser necessária uma sonda para alimentação.

Explicação da Faringite de acordo com o NMG

A mucosa nasal de origem germinativa ectodérmica não deve ser confundida com a mucosa da faringe de origem germinativa endodérmica.

Deve-se levar em consideração que a mucosa da faringe, durante a fase ativa de conflito de “bocado” (dificuldade de “engolir um bocado real ou simbólico” do lado direito da garganta ou de se livrar dele, do lado esquerdo), terá crescimento celular e durante a Fase de Reparo, graças à ajuda da bactéria chamada Streptococcus, edematizarão o excesso de tecido gerado, vão caseificar e depois decompô-lo, gerando o famoso “pus” na garganta, que vamos eliminar na fase de reparo, se o conflito for resolvido sem recaídas.

Esclarecimento sobre o conflito de não “engolir um bocado”; a palavra “engolir” pode significar integrar, admitir, incorporar e assim por diante. Por exemplo: “Ter que suportar, ou engolir ou tolerar uma situação de que não gosto e que me incomoda, neste caso pode ser“ Tenho que engolir os insultos e não quero ”ou“ Não posso engolir uma promessa não cumprida ”

Algumas receitas úteis em caso de inflamação da mucosa da faringe (além de resolver definitivamente o conflito) podem ser:

• Gargareje com água morna salgada, sem engolir o líquido, várias vezes ao dia.
• Moa a raiz de gengibre fresco em um copo de água quente, acrescente mel e limão, gargareje com esta solução antes de engolir.
• Eucalipto: infusão, uma ou duas folhas por xícara, três tomadas diárias. Vapores, ferva um punhado de folhas em um litro de água e inale os vapores, cobrindo a cabeça com uma toalha.


Deve-se lembrar também que, sendo um órgão endodérmico durante a fase de reparo, a febre aparecerá junto com nossos fiéis aliados, as bactérias criadas pelo cérebro para o processo de reparo orgânico.


As amígdalas e adenóides são de origem endodérmica, por isso os mesmos programas biológicos da faringe devem ser levados em consideração. Saiba também que para quem não tem amígdalas por ter sido retirado em cirurgia, esses reparos (conflito de bocado) são feitos, embora não de forma ideal.
As Amígdalas são uma “massa arredondada de tecido linfático localizada na garganta ou na faringe e que tem função defensiva (modulam o trabalho microbiano), principalmente nos primeiros anos de vida (reações mais arcaicas). Eles protegem a entrada das vias respiratórias e digestivas de microorganismos bacterianos (sabemos com a quarta lei que não precisamos nos proteger de aliados)”.

Caso tenha febre sustentada sem baixar, sempre suspeite da presença de uma Síndrome de TCR, ou seja, é imprescindível enraizar a pessoa, acalmá-la e perder o medo.


Algumas dicas para aliviar a febre:

• Aplique compressas frias ou coloque a cabeça sob uma ducha fria para reduzir o edema cerebral.
• Um antipirético natural (que reduz a febre) pode ser dado: alguns exemplos podem ser: decocção de casca de salgueiro (salix spp.) ou tintura de sabugueiro. O ácido úsnico é um antibiótico natural extraído de líquenes, principalmente de variedades de Usnea barbata. Não recomendamos antibióticos sintéticos, é contrário à Quarta Lei Biológica. Caso não receba Usnea Barbata, use tintura mãe de cúrcuma.

Leve em consideração também que fomos enganados com as falsas teorias de Pasteur e um dos pilares fundamentais do pensamento médico oficial é a teoria absurda do monomorfismo que Pasteur postulou. Plagiou e distorceu as descobertas de Antoine Béchamp (pleomorfismo). Louis Pasteur (1822-1895) e Antoine Béchamp (1816-1908) propuseram duas explicações opostas para a doença. A Quarta Lei corresponde exatamente à visão de Béchamp (as bactérias existem para reconstruir tecidos doentes, reciclar resíduos e nunca atacar tecidos saudáveis) e, posteriormente, Jules Tissot, Ethel Douglas Hume.


Antes de terminar este artigo sobre membranas mucosas, não podemos deixar de citar um sintoma muito recorrente em crianças e adultos …

Explicação da Otite de acordo com o NMG


• Nesse caso, a mucosa do ouvido médio, de origem endodérmica e controlada pelo tronco encefálico, será envolvida.
• Durante a fase ativa de um conflito que envolve esse órgão, ocorrerá a proliferação celular e durante a fase de reparo (uma vez resolvido o conflito) ocorrerá o edema correspondente, podendo surgir a inflamação que pode causar dor de ouvido e febre.
• O conflito biológico que afeta o ouvido médio é o de “bocado auditivo”.
• Quando o ouvido direito é afetado, é por “não conseguir pegar ou receber o bocado auditivo”.
• O sentido biológico é criar um tumor do tipo absorvente, para melhor absorção do bocado; a capacidade auditiva aumenta.
• Quando o ouvido médio esquerdo é afetado, o conflito se deve a “não conseguir se livrar de um bocado auditivo”.
• O sentido biológico, nesse caso, é criar um tumor secretor para melhorar o bloqueio do bocado auditivo e é por isso que ocorre a perda auditiva.
• Na fase ativa encontraremos um crescimento tumoral na mucosa do ouvido médio, atrás do tímpano (membrana delgada que delimita o conduto auditivo externo e a ouvido médio como borda)
• Durante a Fase de Reparo (assim que o conflito for resolvido), a inflamação aparecerá junto com o pus, devido à atividade necrosante da bactéria, para quebrar os tumores.
• Com uma massa de conflito significativa (tempo de intensidade do conflito), a pressão (acúmulo de pus ou fluido) atrás do tímpano pode fazer com que ele perfure.
• O tímpano cura por conta própria. No caso de uma condição crônica, sabemos que é devido a recaídas ou memórias sensoriais presentes ou diversos conflitos biológicos, que podem levar à destruição do nervo auditivo.
• É importante lembrar que qualquer medicamento aplicado durante a fase de reparo irá invalidá-la, interferindo no processo de reparo e gerando recidiva.
• Caso queira ajudar o ouvido a desentupi-lo, saiba que o dreno timpânico não invalida a fase de reparo.
• Para aqueles que estão mais envolvidos com NMG, você deve saber que o ouvido médio e a trompa de Eustáquio se originam da camada germinativa do endoderma e o ouvido interno se origina da camada germinativa do ectoderma.
• Quando falamos de um Conflito biológico auditivo (não de bocado) de ouvido interno (de origem ectodérmica), sempre nos referimos a um som intolerável, este é um conflito real. Com várias recaídas, pode levar à destruição do nervo acústico e produzir surdez permanente.
• Mais duas observações: Por um lado, quando aparece um tampão de cera sólida, pode ser devido a uma obstrução sonora ou mecanismo de proteção. É uma possibilidade entre milhares. Mas também tenha em mente que em nossa sociedade o telefone pode facilmente ser um trilho devido ao conflito biológico de bocado auditivo desagradável, portanto, toda vez que o telefone tocar, você tem uma recaída.

Recomendações para otite

  • Colocação de óleo de Verbascum Thapsus ou gordolobo (planta medicinal).

Como e para quê usar o “verbasco” ou gordolobo:

Verbasco tem uma importante ação emoliente (graças à mucilagem), balsâmico, expectorante, antitussígeno, antiinflamatório, antialérgico e digestivo.


Ele pode ser usado para aliviar a inflamação de:

• Amidalite
• Faringite
• Bronquite
• Asma
• Diarréia e irritações digestivas (em enemas)
• Doença de pele
• Furúnculos
• Hemorróidas (banhos de assento, cataplasmas e óleo medicinal)
• Otite

Posologia:

• Infusão das flores: 1 ou 2 colheres de sopa por xícara, 3 vezes ao dia antes das refeições. Teremos que coar várias vezes ou passar por um filtro de papel, pois seus estames são um tanto irritantes.
• Infusão para irrigações, cataplasmas…: Usaremos 2 gr. por litro.
• Uso externo: Decocção concentrada entre 80 a 100 gr. por litro, ferveremos 10 minutos. Vamos aplicá-lo na forma de enemas na diarréia e em lavagens e compressas para condições dermatológicas.
• Cataplasmas de folhas: Usaremos em dermatites, furúnculos e queimaduras.

  • Óleo medicinal de verbasco: Colocaremos 60 gr. de flores em uma garrafa de pescoço largo. Nós adicionamos azeite virgem prensado a frio para cobrir as flores e exceder 2 cm. Cobrimos e agitamos vigorosamente, deixamos exposto ao sol por 2 semanas e se agitará uma ou duas vezes ao dia durante esta maceração.

É muito útil em dores de ouvido, supuração simples, para prevenir a coceira e anti-séptico. Vamos aplicá-lo à temperatura ambiente. Para realçar as suas propriedades podemos repetir o processo 3 vezes, utilizando de cada vez as flores novas e o óleo da maceração anterior. Assim obteremos um óleo antiinflamatório e antibiótico.

Lembre-se de que esta é uma explicação muito curta, apenas com o propósito de tornar a explicação da NMG conhecida por todos e evitar informações incorretas. Se você deseja se aprofundar em NMG, oferecemos a formação completa na web.

Obrigado por ler este artigo.

Articulos relacionados

Comentarios

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *